Ir para conteúdo



Foto

Câmeras: Briga De Gente Grande - Galaxy Note 8 x Lumia 1020 x Canon EOS 450D


  • Por favor, faça o login para responder
2 respostas neste tópico

#1

gzaiat

  • Supervisor Geral
  • 3.974 posts

Postado 20 Out 2018 - 20:05

Sempre fui fascinado por fotografia, desde a analógica e muito mais com o tempo da digital tomando conta, mesmo as primeiras que fotografavam só borrões de luz. Desde a primeira câmera num celular eu acompanhei, vi a evolução por quase 2 décadas, e hoje, mais do que nunca, as empresas investem em câmeras para seus celulares, já que substituiu a "antiga" câmera compacta, nunca mais vista nas mãos das pessoas. É tecnologia nova surgindo de todo lado, a tal dual-camera tomou conta do mercado, hoje já existe celular com até 4 câmeras simultâneas, além dos microssistemas de zoom óptico dos Asus. Haja tempo para acompanhar tudo isso com detalhes! Tempo esse que não tenho mais nos últimos tempos, mas periodicamente ainda me informo sobre esses lançamentos.

 

Meu penúltimo telefone de uso diário foi o Nokia Lumia 1020, com sua notória câmera e o gigante sensor de 41 megapixels. Lançado em 2013, aquilo era a frente do tempo e também uma completa ignorância para um celular, mas um ano antes, a Nokia lançava o 808 com o mesmo conjunto fotográfico poderoso, o pai do 1020, que também deu origem à tecnologia PureView usada em vários outros Lumias. O 808 foi infelizmente condenado pelo fim do Symbian, não muito após seu lançamento. Foi ali no meio de 2012 que a Nokia abalou essa indústria, mesmo que ambos dispositivos tenham tomado um rumo mais na classe de conceito do que de telefone de mercado em massa. Ainda assim, a PureView achou seu lugar em smartphones de massa com câmeras menos complexas, como o Lumia 920, 925, 930, 950, 830 e o phablet 1520, abalando todas as outras grandes empresas de smartphones com seus resultados fotográficos. Portanto, foram também condenados pelo fim do WM pela Microsoft, mas conseguiram ficar mais de 2 anos em atividade (ouso em dizer que o Lumia 1020 foi o melhor telefone que já tive). Hoje vemos nos celulares novos o que o fantástico conceito PureView lhes deixou, sendo aperfeiçoado com dois ou mais sensores, composição de pixels e muito mais tecnologia linda de se ver. Se não me falha a memória, a HTC foi a primeira a trazer dois sensores nesse conceito com o One M8 de 2014. Antes ainda, em 2011, a LG lançou o Optimus 3D, mas com dois sensores para fotos com efeito 3D, um conceito diferente (e também muito fascinante).

 

Interessante notar que a nova Nokia, pós Microsoft, também usa conjuntos de dois sensores e não usa mais a marca PureView para a tecnologia. Entretanto, com o assassinato pela Microsoft, o que sobrou da Nokia - antes de trazer celulares de volta - ainda investiu em desenvolvimento de outras tecnologias, principalmente câmeras, lançando conceitos fascinantes como a OZO 360º, mostrando que investir em fotografia sempre foi uma das prioridades da marca. Isso me faz questionar o porquê das grandes marcas, tirando a Sony, não terem inciado investimentos nesse tipo de câmera que está tomando o mercado cada vez mais. Algumas gigantes da fotografia sumiram nos últimos tempos justamente pela repentina mudança nesse mercado. A rainha deposta (e morta) Kodak ainda tentou desenvolver uma câmera com a Motorola, mas não teve sucesso e não durou muito após aquilo. Lembro de ter lido há alguns anos sobre uma provável parceria da Nokia com a Canon... quem sabe existem planos por baixo do pano, só esperando para explodir nossas mentes em um futuro próximo... esses sonhos me deixam até mais otimista.

 

Hoje uso um Galaxy Note 8, o primeiro Samsung a usar a configuração de duas câmeras: uma de 26mm e abertura f/1.7 e a outra de 52mm com abertura f/2.4, permitindo composição de imagens, foco dinâmico e zoom "óptico" de 2 vezes (opa, o 1020 já tinha isso!). O resultado é fenomenal, amplificado pela tela gigante quase sem bordas. Hoje, essa configuração dual-camera virou praticamente padrão nos celulares que oferecem fotos de qualidade - porém nem todos usam conjuntos na mesma configuração, outras marcas oferecem com suas câmeras fotos de grande amplitude ou fotos de imensas resoluções.

 

Com esses telefones em mãos, resolvi fazer um teste para ver se a tecnologia aperfeiçoada da câmera de um dos telefones mais conceituados da atualidade, conseguiu bater o pioneiro (808!!) na tecnologia - Lumia 1020.

 

Eu sei que tem uma Canon EOS enfiada ali no meio do título, não é para injustiçar a competição pisando nos dois telefones e dizendo que a DSLR leva essa. Quero mostrar o tanto que as câmeras de celular evoluíram a ponto de ter qualidade comparável com uma câmera desse porte. Claro que pelo tamanho da objetiva e do sensor, pode ser uma comparação injusta, mas muitos telefones atuais (Note 8 no meio) tentam simular efeitos das câmeras profissionais, aqui vamos ver se simulam bem ou não.

 

É uma DSLR compacta, Canon 450D (XSi) lançada em 2008, sensor de 12 mp (com aprox. 22 mm diagnonal), tirei as fotos do teste usando a objetiva original 18-55 mm, com abertura máxima variável f/3.5 - 5.6 e estabilização óptica. Flash Xenon pop-up original efetivo até 10 m. (Foto pelo Lumia).

 

Canon.jpg

Minha guerreira há quase 10 anos. O motor do foco automático dessa objetiva se foi faz tempo, o foco é no braço.

 

O Lumia 1020 tem um sensor de 41 mp (~17 mm diagonal - 1/1.5"), pixels de 1.12 µm, lentes Zeiss de 26 mm (simula 52 mm em 2x de zoom com o gigante sensor), com abertura máxima f/2.2 e estabilização óptica. Obturador mecânico, LED como auxiliar de foco e luz de vídeo e flash Xenon para fotos efetivo até 3 m. (Foto pelo Note).

 

Lumia.jpg

Usado como único celular por quase 3 anos, somente o deixei pelo abandono do WM pela Microsoft. Ainda um companheiro de fotografia.

 

O Note 8 tem um conjunto duplo de câmeras, uma delas com sensor de 12 mp (~10 mm diagnonal - 1/2.55"), pixels de 1.4 µm, lentes de 26 mm, com abertura máxima f/1.7 e estabilização óptica. A segunda também com um sensor de 12 mp (~7 mm diagonal - 1/3.6"), pixels de 1.0 µm, lentes de 52 mm, com abertura máxima f/2.4 e estabilização óptica. Flash LED, único. (Foto pelo Lumia).

 

Note.jpg

Me seduzindo há pouco tempo com a tela que baba cores para os lados, tá conseguindo bem...

 

 

No teste, as fotos seguirão a mesma sequência acima

 

1 - Canon 450D

2 - Lumia 1020

3 - Note 8

 

 

VAMOS AO TESTE:

 

 

Nessa primeira etapa, usei apenas o Lumia 1020 e o Note 8, em modo 100% automático nas mesmas condições;

 

Ambos configurados para 16:9, sem zoom;

 

O Note mostrou uma certa compensação de luz, como um HDR - mesmo estando desativado nas configurações.

 

LUMIA:

01 Lumia.jpg

 

NOTE:

01 Note.jpg

 

 

 

Na segunda etapa, usei o modo manual do Lumia e do Note, e o modo P da Canon;

 

Regulei apenas balanço de branco (luz do dia 5500K nos três) e ISO para 100;

 

Formato de sensor cheio, sem zoom, 3x2 na Canon e 4x3 no Lumia e Note;

 

Canon com 18 mm, Lumia e note com 26 mm;

 

Tanto o Lumia quanto o Note usaram suas aberturas máximas: f/2.2 e f/1.7, respectivamente, enquanto a Canon usou uma mais confortável: f/10;

 

A Canon fotografou com exposição 1/250s, o Lumia 1/3800s e o Note 1/14000s.

 

CANON:

02 Canon.JPG

 

LUMIA:

02 Lumia.jpg

 

NOTE:

02 Note.jpg

 

 

Abaixo, as mesmas fotos em máxima ampliação, resolução de 1200x900 aprox.:

 

CANON (12 mp):

02 Canon - Copia.JPG

 

LUMIA (38 mp):

02 2 Lumia - Copia.jpg

 

LUMIA (ampliação equivalente):

02 Lumia.jpg

 

NOTE (12 mp):

02 Note.jpg

 

 

 

Terceira etapa: Macro, com a mínima distância focal. Modo automático;

 

O Note tem uma distância mínima de aprox. 10 cm, o Lumia 15 cm e a Canon 25 cm - porém usei a objetiva em 25-30 mm para base melhor de comparação com os 26 mm dos dois telefones;

 

Lumia e Note novamente usaram sua maior abertura em benefício, e a Canon com 29 mm, usou a abertura f/4.5 (a maior possível);

 

Exposição de 1/15s na Canon e no Lumia, 1/30s no Note;

 

ISO 800 na Canon, ISO 400 no Lumia e ISO 200 no Note.

 

CANON:

03 Canon.JPG

 

LUMIA:

03 Lumia.jpg

 

NOTE:

03 Note.jpg

 

 

 

Quarta etapa: Pouca luz, modo automático. Objetiva da Canon também entre 25-30 mm;

 

Abertura máxima nos três;

 

Exposição de 1/10s no Note e no Lumia e 1/3s na Canon;

 

ISO 800 na Canon e no Lumia, ISO 250 no Note.

 

Importante notar que com objetos mais escuros em foco, mesmo em boa luz, o Note joga a exposição para o alto, prejudicando o contraste. Mas é só compensar a exposição pelo slider que aparece na tela logo após ao focar, que resolve. No modo manual o efeito é totalmente evitável. - isso eu já notava no meu ex Galaxy A5 2016, talvez seja característica do software da Samsung.

 

CANON:

04 Canon.JPG

 

LUMIA:

04 Lumia.jpg

 

NOTE:

04 Note.jpg

 

 

 

Quinta etapa: O famoso "foco dinâmico" ou "live focus", posto à prova, que nos conjuntos de câmera dupla como no Note, aproveitam da grande abertura de uma lente e da distância focal da outra, compondo a foto com o tão desejado efeito bokeh no fundo do foco. Mas esses celulares não usam apenas hardware, o modo de foco dinâmico do Note 8, assim como de outros telefones que usam do recurso, é ampliado por meio de software, que "borra" mais ainda o campo desfocado pelas lentes;

 

Abaixo, as fotos da Canon e do Lumia foram tiradas com pura objetiva, sem efeitos a mais, assim como a primeira foto tirada pelo Note. Já a segunda, o foco dinâmico está ativo, a diferença do desfoque é bastante notável, mas nem tudo são flores quando a gente fala desse tal efeito...

 

Canon com f/4.0 a 28 mm, Lumia e Note com seus máximos.

 

CANON:

05 Canon.JPG

 

LUMIA:

05 Lumia.jpg

 

NOTE 1:

05 Note 1.jpg

 

NOTE 2:

05 Note 2.jpg

 

 

 

Sexta etapa: testando o foco a distância, com zoom máximo (55 mm na Canon, 52 mm no Note e Lumia);

 

Canon com f/5.6, Lumia e Note com seus máximos;

 

Aqui também testei o foco dinâmico do Note, cenário onde já confunde o software, que não reconhece bem as linhas da estrela e acaba com um efeito um pouco esquisito. Aqui postei a melhor foto que consegui tirar, pois em várias tentativas metade da rua também aparecia focada, deixando o efeito completamente falso. A primeira foto é sem o efeito e a segunda, com o efeito.

 

CANON:

06 Canon.JPG

 

LUMIA:

06 Lumia.jpg

 

NOTE 1:

06 Note 1.jpg

 

NOTE 2:

06 Note 2.jpg

 

 

 

Sétima etapa: demonstração de cores básicas em fundo branco.

 

CANON:

07 Canon 1.JPG

 

LUMIA:

07 Lumia 1.jpg

 

NOTE:

07 Note 1.jpg

 

 

 

Oitava etapa: mesmo cenário anterior, com o uso de flash.

 

Relembrando: Canon com Xenon, Lumia com Xenon e Note com LED único.

 

 

CANON:

07 Canon 2.JPG

 

LUMIA:

07 Lumia 2.jpg

 

NOTE:

07 Note 2.jpg

 

 

 

CONCLUSÕES:

 

Com o teste podemos ver como as câmeras chegaram a um altíssimo nível de desenvolvimento, com fotos realmente comparáveis às de uma DSLR pequena. Campo dinâmico, abertura, distância focal estão em níveis que muitas câmeras compactas de 10 anos atrás nem passaram perto. Para dar mais crédito, a abertura maior nos celulares me permite tirar fotos em pouca luz estáveis com muito mais facilidade do que na Canon, que às vezes joga a exposição para 1 segundo ou mais com f/3.5 - 4.0 (com a objetiva 50 mm f/1.8 já é outra história, mas não seria justa a comparação).

 

Comparando os dois telefones apenas, ainda acho que as fotos do 1020 tem um resultado mais profissional em questão de definição e também no campo focal. O flash Xenon também é outro mundo na fotografia. Mas afinal, foi um celular totalmente voltado para câmera, com um conjunto além de tudo que já havia existido. E ainda, nunca foi um celular point-and-shoot eficiente, com um atraso de uns 5 segundos entre uma fotografia e a outra - pelo conjunto mecânico e também pelo processamento da imensa imagem.

 

Por isso não desmerece o resultado do Note 8, com a tecnologia já aperfeiçoada e aplicada em massa, não decepcionou, muito pelo contrário, tira fotos sensacionais. A qualidade da câmera dos telefones atuais subiu níveis absurdos e espero ver mais e mais novidades ainda. Por agora estou louco por esse Note! E também louco para ver em mãos os novos super chineses e os super-câmeras com 3 ou 4 sensores no conjunto. O Lumia continuará sendo uma lenda e um companheiro em fotografias.

 

- Abaixo, uma foto tirada pelo HTC Touch Diamond, um high-end de 10 anos atrás (2008), com sua câmera de 3 mp AF:

 

Touch Diamond.jpg

 

 

- E esta outra, pelo Palm Zire 72, lançado há 14 anos (2004), com sua câmera de 1.3 mp - fora do normal na época em um dispositivo desses:

 

Palm.jpg

 

 

Redirecionado de Fotos tiradas por celulares


Editado por gzaiat, 22 Out 2018 - 19:14.

Samsung Galaxy Note 8 128GB stock Oreo 8.0
Galaxy Note 8.0 Wi-Fi N Lineage 14.1 ● Galaxy A5 2016 stock N ● Lumia 1020 64GB W10 ● Lumia 635 W10
● Nokia E71 stock S60 ● Prada 3.0 JB CM 10
LG Optimus L5 stock ICS ● Optimus Pro C660 GB CM 7 ● Xperia Mini Pro stock ICS Palm Zire 72s stock OS 5.2.8 HP iPAQ RX5915 stock WM 5.0
HTC Kaiser WM 6.5 ● HTC Touch Diamond stock WM 6.1 ● HTC P3301 stock WM 6.0 ● HTC P3401 stock WM 5.0 ● PPC6700 stock WM 5.0
Siemens MC60 ● Siemens SL55 ● Midi MD-460 ● Xintai (Vaic) T800 ● SW DZ09
Xintai T1100 Nokia 5200 Samsung C506


#2

FANS-87™

    Administrador

  • Administrador
  • 22.363 posts

Postado 31 Out 2018 - 09:54

Parabéns pelo post, GZ!

Ótima análise das câmeras.

:D


post-5800-0-82412700-1391461976.gif
"...May the force be with you"

post-5800-0-30701200-1393803426.jpg

Não respondo dúvidas por MP.


#3

FMoraes

    S.Administrador

  • S. Administradores
  • 4.185 posts

Postado 02 Nov 2018 - 01:58

Comparativo mega completo, sensacional.  Parabéns pelo post