Ir para conteúdo



Foto

[DICA] - Tudo o que você precisa saber sobre redes wireless.


  • Por favor, faça o login para responder
Não há respostas para este tópico

#1

Brunohc

    Membro Platinum PluS

  • Membro Prime
  • PipPipPipPipPipPipPip
  • 4.370 posts

Postado 20 Jul 2007 - 00:11

Tudo o que você precisa saber sobre redes wireless



O universo de tecnologias de transmissão via rádio, e todos os aspectos e aplicações dele derivadas, revelam um dos terrenos mais férteis e propícios à criação de siglas, termos, acrônimos e "nomes diferentes" para a crescente quantidade de tecnologias e formatos existentes. Conhecer tal vocabulário e entender os padrões pode parecer, aparentemente, preciosismo técnico ou tarefa sem graça, mas na verdade é a porta de entrada para o mundo das tecnologias sem fio de todas as idéias tecnológicas que dão suporte a essa realidade em que vivemos. Se você tem interesse sobre o assunto e está confuso com nomes e números, não perca tempo, vá em frente e descubra que estes termos técnicos geralmente são idéias e invenções muito interessantes e relacionadas entre si.



Veja a comparação de velocidade na imagem abaixo





802.11a

Versão do protocolo 802.11 (Wi-Fi). Utiliza a faixa de frequência não licenciada de 5GHz e permite taxas de transferências de até 54Mbps, utilizando o método de modulação OFDM. Seu alcance é de até 100 metros, mas torna-se deficitário quando comparado com as versões 11b ou 11g, pois o custo de equipamentos compatíveis com esse protocolo é relativamente alto. A principal vantagem de trabalhar com o protocolo 11a é a sua maior estabilidade, já que há uma redução considerável de interferências no sinal, geralmente originárias de fornos de micro ondas, telefones sem fio e demais aparelhos que eventualmente possam usar o mesmo espectro de frequência usado pelos protocolos 11g ou b.



802.11b

Versão do protocolo 802.11 (Wi-Fi). Como atrativo, o 802.11b traz seu baixo custo de hardware e o fato de ter o maior parque instalado até o momento. Como desvantagens, há a possibilidade de sofrer interferências por dispositivos domésticos. O protocolo 802.11b opera na frequência não licenciada de 2.4 GHz e permite taxas de até 11 Mpbs, utilizando a tecnologia DSSS. Seu alcance é de, aproximadamente, 300 metros, sem obstáculos, mas esta cobertura pode ser fácilmente expandida com a utilização correta de antenas específicas e/ou amplificadores de potência.



Vale lembrar que a ANATEL desaconselha qualquer modificação nas características originais de hardware rádio-transmissor sem o acompanhamento de empresas ou profissionais capacitados, que possam ajudar no controle da saturação e qualidade das transmissões via rádio nos grandes centros urbanos. Atualmente, em alguns pontos das grandes capitais, já ocorre uma forte saturação em determinadas faixas do espectro de frequências. Tal saturação é ocasionada pela utilização simultânea de muitos aparelhos rádio-transmissores funcionando em frequências próximas. Freqüentemente, antenas instaladas para expandir a área de cobertura de um AP podem, na realidade, quando mal utilizadas, acabar sujando e poluindo todo os espectro de frequência próximo de onde opera, obrigando o transmissor a rádio mais próximo (prejudicado pela interferência) a aumentar a potência de seu sinal, saturando um pouco mais a região.



Além de ser uma atitude consciente e responsável, o bom senso no ajuste da potência do sinal também pode servir para aumentar o nível de segurança da rede interna, pois o sinal ajustado para cobrir - apenas - os limites físicos do ambiente pode díficultar sua interceptação/manipulação por pessoas não autorizadas e mal-intencionadas em ambientes próximos.



802.11g

Versão do protocolo 802.11 (Wi-Fi) mais difundida na atualidade. Aos poucos, a versão 11g tomou o lugar da 11b, devido a sua taxa de transferência superior: 54 Mpbs. Assim como a versão 11b, a 11g também opera na frequência não licenciada de 2.4 GHz, utilizando o método de modulação OFDM. Diversos aparelhos já estão saindo da fábrica compatíveis com o 802.11g, com a grande vantagem de serem totalmente compatíveis também com equipamentos do padrão 11b. É comum identificarem aparelhos como sendo compatíveis com 802.11g+b ou g/b, mas todo aparelho 11g é compatível com 11b.



802.11h

Versão do protocolo 802.11a (Wi-Fi) que vai ao encontro com algumas regulamentações para a utilização de banda de 5 GHz na Europa. O padrão 11h conta com dois mecanismos que optimizam a transmissão via rádio: a tecnologia TPC permite que o rádio ajuste a potência do sinal de acordo com a distância do receptor; e a tecnologia DFS, que permite a escolha automática de canal, minimizando a interferência em outros sistemas operando na mesma banda.



802.11i

Versão do protocolo 802.11 (Wi-Fi) com atualizações de segurança, já que versões anteriores não eram 100% confiáveis e, muitas vezes, confusas com o padrão WEP para encriptação de dados. Esse novo protocolo incorpora a tecnologia AES (Advanced Encryption Standard), permitindo a utilização de chaves de segurança de 128, 192 e 256-bits.



802.11 Multimídia (WMM)

Versão mais recente do protocolo 802.11 (Wi-Fi) com ênfase em QoS e destinada a aplicações residenciais e/ou de entretenimento, onde a transmissão de conteúdo rico (vídeo, áudio, etc) depende da continuidade e qualidade do fluxo de transmissão (QoS). O WMM antecipa alguns recursos e avanços de outro protocolo: o 802.11e.



802.11n

Forte concorrente do UWB, o 802.11n (ou 802.11 Next Generation) promete ser o padrão wireless para distribuição residencial de mídia (IPTV, etc) , pois oferecerá, através de tecnologia e configurações MIMO, taxas mais altas de transmissão (aprox. 100 Mbps), maior eficiência na propagação do sinal e ampla compatibilidade reversa com demais protocolos. O 802.11n atende tanto as necessidades de transmissão sem fio para o padrão HDTV, como de um ambiente altamente compartilhado, empresarial ou não.



802.11s

Padrão em fase de proposição/homologação pelo IEEE. O 802.11s tem ênfase em redes auto-configuráveis, também conhecidas como "mesh-networks", onde pontos de acesso podem comunicar-se entre si, permitindo uma maior cobertura e melhor roteamento através dos nós (nodes) de rede. O mesh networking sem fio vai ao encontro de um fenômeno que já se manifesta em cidades como Taipei, ou mesmo, Sud Mennucci e Jundiaí no interior paulista, onde o Wi-Fi está sendo utilizado como rede de acesso municipal (WMAN).



802.15.1

Vide Bluetooth



802.15.3

Vide UWB



802.15.4

Vide ZigBee



802.16

Vide WiMAX



Access Point (ou ponto de acesso)

Aparelho que transforma o tráfego da rede convencional (via cabos) em sinal de rádio Wi-Fi. Através de Access Points, usuários de PDAs ou notebooks equipados com Wi-Fi podem acessar a rede local da empresa ou navegar pela internet. Todo sinal Wi-Fi é proveniente de um ponto de acesso, que geralmente tem uma ou, às vezes, duas antenas. Os A.P.s (access points) podem operar no padrão 802.11a, 11b ou 11g. Em alguns casos, o aparelho é compatível com mais de um padrão (também costumam ser mais caros).



Bluetooth (802.15.1)

O Bluetooth é uma tecnologia de transmissão de dados sem fio originalmente desenvolvida pela Ericsson. O nome foi adotado em homenagem ao rei viking Harald Bluetooth. A proposta do Bluetooth é tornar-se padrão de conexão entre aparelhos próximos, como câmeras digitais, celulares, headsets, impressoras, teclados, mouses, etc. A taxa de transferência de dados alcançada com Bluetooth 1.0 é baixa (até 1Mbps) e sua área de cobertura também é limitada: dez metros na maioria dos casos. Já o Bluetooth 2.0 consegue transferir dados a 12Mbps (mais que o Wi-Fi 802.11b). O Bluetooth opera na mesma frequência do Wi-Fi 802.11b/g e muitos já o consideram uma tecnologia morta, pois concorrentes de peso, como o UWB e WUSB, devem aparecer muito em breve.



BREW (Binary Runtime Environment for Wireless)

Tecnologia desenvolvida pela Qualcomm, é plataforma de desenvolvimento e distribuição de aplicativos para dispositivos móveis. Boa parte do processamento é feito no servidor, permitindo que dispositivos de baixo poder de processamento tenham acesso às aplicações remotas. Assim como o J2ME, a proposta do BREW é levar aplicativos relevantes aos aparelhos mais simples.



Chaku-Uta

Serviço de downloads de ringtones e músicas através de rede de terceira geração da operadora japonesa KDDI/AU. A última versão do serviço, o Chaku-Uta Full, é considerado um equivalente do iTunes para disposivitos móveis e é um verdadeiro fenômeno no japão, tendo ultrapassado 20 milhões de downloads em outubro de 2005. O serviço, cuja marca registrada é de propriedade da Sony Music, permite que os assinantes do serviço 3G da KDDI façam download de músicas em até 2.4 Mbps através da rede CDMA 1X WIN da operadora. As músicas são no formato ACC (MPEG-4) de 48 kbit/s e têm aproximadamente 1.5 MB por arquivo. Atualmente, no mercado japonês, existem sete aparelhos compatíveis com o serviço, fabricados pela Toshiba, Hitachi, Sanyo, Casio e Kyocera, além do recém-lançado W42S da Sony Ericsson.



DSSS (Direct-sequence spread spectrum)

Tecnologia de transmissão via rádio, na qual dados são transmitidos em várias frequências (canais) ao mesmo tempo. A tecnologia (spread spectrum) foi desenvolvida para fins militares, com o objetivo de dificultar que o inimigo conseguisse monitorar transmissões de rádio. A técnica gera um bit redundante padrão para cada bit sendo transmitido. O bit transmitido é chamado de bit chip (chipping code). DSSS é a tecnologia utilizada no padrão Wi-Fi 802.11b.



GHz

Derivação da unidade de medida de frequência Hertz (Hz), usada para medir frequências ondas de rádio. O nome Hertz foi adotado em homenagem ao inventor Heinrich Hertz, que foi o descobridor de um dos pilares da transmissão a rádio, provando que a eletricidade pode ser transmitida por ondas eletromagnéticas. 1Hz equivale a um ciclo de onda por segundo.



VLF (frequências muito baixas) :: de 3kHz a 30kHz (inclui a audição humana)



LF (frequências baixas ) :: 30kHz a 300kHz



MF (Ondas médias) :: 300kHz até 3MHz (radioamadorismo)



HF (frequências altas ou ondas curtas) :: 3MHz a 30MHz (radioamadorismo)



VHF (frequências altas ou ondas muito curtas) :: 30MHz a 300MHz (sinal de TV aberta, etc)



UHF (frequências ultra altas ou ondas ultra curtas) :: 300MHz a 3GHz (alguns sinais de TV, Wi-Fi)



SHF (frequências super altas ou microondas) :: 3GHz a 30GHz (Wi-Fi, sinal de TV via satélite, etc)



EHF (frequências extremamente elevadas) :: 30GHz a 300GHz (rádio-observatórios, etc)



Para ter uma idéia, o ouvido humano consegue apenas "captar" frequências entre 20Hz e 20.000Hz, intervalo este, que compreende os sons mais graves e mais agudos que podemos ouvir. Alguns animais, como cães e gatos por exemplo, conseguem ouvir frequências um pouco acima de 20kHz. O arquivo signal.wav lhe permitirá ouvir uma evolução sonora de 10Hz até 20Khz. Note que, ao aproximar-se dos 20kHz, o som fica praticamente inaudível. 1 KHz equivale a mil hertz. 1MHz (megahertz) equivale a um milhão de hertz. 1GHz (gigahertz) equivale a um bilhão de hertz, e assim por diante.



GPRS (General Packet Radio Service)

É a tecnologia presente nos celulares GSM, que permite que esses aparelhos trafeguem dados através de redes IP. É o GPRS que permite a conexão da maior parte dos smartphones e celulares à internet. Atualmente, o GPRS é o padrão que oferece a maior cobertura móvel para aparelhos de mão com acesso à internet. O alto custo da tarifa por kbytes e a velocidade limitada (média: 40kbps - max. 70kbps) são os dois pontos negativos da tecnologia.



GPS (Global Positioning System)

Criado na década de 70 pelo departamento de defesa americano, o GPS é uma rede de aproximadamente 24 satélites militares americanos que permite que aparelhos aqui na terra consigam identificar a localização exata por latitude e longitude. O sistema GPS permite que usuários de notebooks ou PDAs tenham a localização exata em mapas digitais. Para isso, o notebook ou PDA precisam ter o recurso de GPS ou algum hardware adicional conectado.



GSM (Global System for Mobiles)

Global System for Mobiles é o padrão de telefonia móvel mais popular da Europa, e está se estabelecendo rapidamente no Brasil através das operadoras TIM, Oi e Vivo. O padrão GSM é famoso por seus chips que carregam as informações do assinante. Ou seja, o usuário pode usar, na Europa, o mesmo aparelho comprado aqui, instalando um chip local e certificando-se de que o aparelho é compatível com a frequência de banda do país. Alguns aparelho são quad-band, ou seja, funcionam em qualquer país, através das bandas em 850, 900, 1800 ou 1900 MHz.



iMode

Serviço( transmissão de pacotes) criado pela operadora de telefonia móvel japonesa, NTT DoCoMo. Uma espécie de WAP mais sofisticado, o iMode utiliza o formato cHTML (Compact HTML) para acessar páginas feitas especialmente para este padrão. O formato foi introduzido em 1999, pela operadora NTTDoCoMo (docomo pode ser traduzido como "em qualquer lugar" ou "onde quer que você vá").



IrDA (Infrared Data Association)

Infrared Data Association ou, simplesmente, infra-vermelho. Tecnologia mais comum de comunicação entre aparelhos até o final da década passada. Presente em 99% dos controles remotos, mouses sem fio e celulares mais antigos, a tecnologia IrDA está sendo rapidamente substituida pelo Bluetooth. Os maiores limites do IrDA são: a baixa velocidade de transmissão e a necessidade de os aparelhos estarem relativamente alinhados entre si.



J2ME

Também conhecida como Java 2 Micro Edition, o J2ME é uma variação da plataforma Java, totalmente voltada ao desenvolvimento de aplicações para equipamentos de baixo poder de processamento e memória.



JSR 232 (Java Specification Request 232)

Variação Java para dispositivos móveis. O JSR 232 está sendo desenvolvido pela Motorola e Nokia (com apoio da Vodafone, NTT DoCoMo, PalmSource e IBM) e promete ser um avanço no problema da atualização de código e manutenção on the fly para aparelhos móveis, permitindo que operadoras tenham informações detalhadas do aparelho, como versão de software, perfis de hardware, uso de memória, etc.



LAN ( Local Area Network)

Rede local ou LAN é a sigla que representa uma rede física de computadores interligados. Por exemplo, uma rede de escritório com alguns computadores e um servidor pode ser considerada uma LAN. O principal aspecto que define uma LAN é o seu tamanho/cobertura limitado (geralmente limitado a um prédio, residência ou empresa). Daí vem o nome Lan House.



MIMO ( multiple in, multiple out)

Forma de transmissão sem fio que utiliza mais de uma antena para a entrada e saída de dados do receptor/transmissor. Esse tipo de tecnologia permite transmitir através de multiplas correntes de dados em cada canal, aumentando de forma considerável a velocidade de transmissão. Numa simples analogia, é como uma pista expressa onde oito veículos, por exemplo, levam e trazem dados no lugar do formato tradicional. Além de aumentar a performance de transmissão, a utilização de multiplas antenas também ajuda a melhor a estabilidade de transmissão, já que as antenas adicionais também podem entrar em ação quando há algum tipo de interferência ou instabilidade. O MIMO demonstra ser uma evolução natural das tecnologias sem fio, já que há uma crescente demanda multimídia e um esforço constante para aumentar a velocidade de taxas de transmissão sem fio.



OFDM (Orthogonal Frequency Division Multiplexing)

OFDM é uma tecnologia de modulação que transmite simultaneamente em várias frequências (canais), resultando numa transmissão mais veloz e com menos problemas de interferência e distorção. O OFDM é utilizado nos padrões 802.11g e 802.11a.



PDA (Personal Digital Assistant)

Termo criado em 1993, por John Sculley, ex-presidente de Apple Computer, para referir-se a pequenos aparelhos de mão com funcionalidades de computador. Na época, a empresa lançava o primeiro PDA da história: o Newton Knowledge Navigator.



PDA-Phone

Vide Smartphone




RFID (Radio Frequency Identification ou Identificação por Rádio Freqüência)

Tecnologia empregada para a criação de "etiquetas inteligentes" que funcionam através de rádio frequência. A tecnologia, que vai demorar um pouco para tomar conta das prateleiras, está sendo bancada por empresas como WallMart e Gilette. Um microchip implantado na etiqueta envia sinais com informações de preço, etc. eliminando a necessidade de filas de caixa, já que é possível detectar tudo que está dentro do carrinho. Uma questão muito próxima do RFID e amplamente debatida na atualidade é a invasão de privacidade. A etiqueta RFID torna possível o rastreamento de produtos, mesmo que eles tenham deixado a loja.



Smartphone

Termo utilizado para telefones com recursos de PDA, ou vice-versa. Hoje, já existem celulares (smartphones) equipados com sistemas Windows Mobile, Palm OS ou Symbian. Aparelhos Sidekick e BlackBerry (muito populares nos Estados Unidos e Europa) são smartphones bastante peculiares, pois destinam-se, quase exclusivamente, ao uso de e-mail e navegação pela web. Outro termo muito confundido com o Smartphone é PDA Phone. Não há uma definição clara sobre os critérios que possam definir se determinado aparelho móvel é um Smartphone ou PDA-Phone. Por outro lado, há pessoas que afirmem que o Motorola MPx200 seja um smartphone, enquanto o Tungsten W, um PDA-Phone.



Symbian OS

Originalmente chamado de EPOC, o sistema operacional Symbian OS é líder mundial no mercado de smartphones e um dos sistemas operacionais para dispositivos móveis que mais ganha mercado. Além de ser muito popular na Europa, o Symbian está ganhando mercado no Japão e países da América Latina. Diferente de outros sistemas operacionais, ele permite a rápida customização da interface e look and feel, de acordo com a operadora prestadora do serviço. Podemos destacar como pontos fortes do sistema a necessidade de pouca memória, seu suporte para telefonia em tempo real e seu gerenciador de energia otimizado. Algumas sócias da empresa são a Nokia, Ericsson, Motorola, Samsung, Panasonic, Siemens e Psion (criadora do EPOC).



UWB (Ultra Wide Band)

Também conhecido como 802.15.3, o Ultra Wideband é a tecnologia que promete substituir o Bluetooth a médio prazo. Seu consumo de energia é cem vezes menor que o do Bluetooth, e a sua frequência de operação pode variar entre 3,1 e 10,6GHz. O ponto forte do UWB é a sua velocidade de transmissão (100 a 500Mbps), mais rápida que a maioria dos tipos de transmissão sem fio convencionais. Em contra partida, sua área de cobertura é bastante reduzida, no máximo dez metros, que é mais que suficiente para usuários de mouse sem fio ou headsets. O UWB opera de forma diferente das demais tecnologias wireless. Além de ter um espectro de atuação amplo (3,1 - 10,6GHz), o UWB transmite através de "rajadas" de sinal (centenas por segundo). A combinação desse"gatilho rápido" com a ampla banda de operação permite que o UWB consuma menos energia e consiga taxas de transmissão maiores que as do Wi-Fi, por exemplo. O Ultra Wideband foi inventado na década de 60, para fins militares.



WAN (Wide Area Network)

Diferente de uma LAN, a Wide Area Network é uma rede de cobertura muito maior e que, muitas vezes, incorpora LANs. Ao contrário das LANs, uma WAN pode cobrir um país inteiro, por exemplo, uma empresa com escritório em diversas capitais pode ter LANs em cada escritório e uma WAN interligando todos eles. A internet é uma grande WAN.



WAP ( Wireless Application Protocol)

Protocolo que permite que dispositivos móveis (celulares principalmente) tenham acesso à internet. O formato é parecido com o HTML tradicional, porém, muito mais limitado e simplificado.



WEP (Wired Equivalent Privacy)

Algoritmo utilizado em redes sem fio Wi-Fi que tem como objetivo proteger os dados de pessoas não autorizadas que possam, eventualmente, estar monitorando ou interceptando o tráfego de dados. O WEP é uma das formas mais simples de proteger o tráfego de dados numa rede Wi-Fi e sua encriptação de até 128 bits pode ser facilmente "quebrada" por hackers mal-intencionados utilizando softwares para monitorar e estudar o tráfego de rede.



Wi-Fi

Sigla que significa wireless fidelity, popularmente usada para fazer referência aos protocolos 802.11a, 802.11b, 802.11g, 802.11i, entre outros do IEEE (Institute of Eletrical and Eletronics Engineers). Hoje, a sigla Wi-Fi está diretamente associada à mobilidade e comunicação sem fio, sendo considerada por muitos como a segunda onda da internet, porém, o Wi-Fi deve ser classificado como uma tecnologia sem fio/wireless, deixando reservado o status de verdadeira e total mobilidade para as tecnologias WWAN (EDGE, Ev-Do, GPRS, etc).



WiMAX

Ultimamente, o WiMAX (Worldwide Interoperability for Microwave Access) tem sido um dos termos mais mencionados e comentados no mundo da alta tecnologia. O WiMAX, ou padrão 802.16 (Air Interface for Fixed Broadband Wireless Access Systems), promete revolucionar toda forma de comunicação digital, incluindo a telefonia fixa e móvel. O WiMAX está diretamente relacionado ao conceito de WMANs, ou Wireless Metropolitan Area Networks. Com o WiMAX, áreas de até 30 milhas estarão cobertas de sinal, possibilitando taxas de transferência de até 75Mbps ou mais, levando acesso de banda larga a lugares remotos e de difícil penetração via cabo. Com um custo de infra-estrutura e implantação bem menor que da rede celular, o WiMAX promete revolucionar o mercado de telecomunicações e banda larga.



Até o momento, existem três variações principais do padrão: a 802.16a (fixed wireless access), que está praticamente pronta, 802.11d (fixed wireless access) em homologação e a802.16e (mobile wireless access), também em fase de homologação, sendo que esse último deve chegar para enfrentar uma boa briga com tecnologias do tipo WWAN (Edge, Ev-Do, UMTS, etc).



Esses padrões estão sendo desenvolvidos por empresas participantes do WiMAX Forum, que tem como principais membros a Intel, Alcatel, AT&T Nokia, Fujitsu, France Telecom, Motorola, Siemens, entre outros.



Wireless router (roteador sem fio)

Também considerado um access point, o roteador sem fio, além de propagar o sinal Wi-Fi pelo ambiente, também incorpora funções de roteamento, permitindo que mais de um computador tenha acesso à rede local ou internet. Um wireless router, além da antena, tem portas ethernet para a conexão com máquinas que não estejam equipadas com placas de rede wireless.



WLAN (Wireless Local Area Network)

De forma parecida com uma LAN, a WLAN interliga computadores ou dispositivos em uma determinada área fechada, só que utilizando o sinal de rádio no lugar dos cabos ethernet.



WMAN (Wireless Metropolitanocal Area Network)

WMANs são redes sem fio de grandes proporções que cobrem cidades inteiras ou grandes regiões. A grosso modo, as WMANs estão para cidades e bairros, assim como as WLANs estão para residências e escritórios. Veja também 802.11s.



WPAN (Wireless Personal Area Network)

Pequena rede pessoal, sem fios, interligando acessórios e equipamentos wireless, geralmente mouses, PDAs, celulares, teclados, câmeras sem fio, etc. Numa WPAN, as tecnologias predominantes são o Bluetooth, UWB e WUSB.



WUSB ( Wireless USB )

Versão sem fio do padrão de conexão Universal Serial Bus. A tecnologia WUSB tem como base o padrão de rádio-transferência UWB (Ultra Wide Band) defendido pela MultiBand OFDM Alliance (MBOA) e WiMedia Alliance. Assim como o USB tradicional, o WUSB funciona de forma ponto a ponto, sempre interligando um host a um dispositivo ou periférico. Cada host WUSB permite conectar até 127 dispositivos no modo informal de cluster WUSB. A tecnologia é compatível com o USB tradicional e pode ser usada como "ponte" wireless entre dispositivos e hubs compatíveis com o USB tradicional.



Assim como o UWB, o WUSB permite transferências de dados em taxas muito altas (480Mbps), principalmente quando comparadas às taxas alcançadas por dispositivos Bluetooth ou Wi-Fi. Para se ter idéia, uma transmissão de HDTV consome entre 19 a 24Mbps. Dessa forma, um hub WUSB poderia suportar várias conexões simultâneas de transmissão de HDTV.



O padrão WUSB é defendido pelo Wireless USB Promoter Group, que é composto pela Agere Systems, HP, Intel, Microsoft, NEC, Philips e Samsung.



xMax

Tecnologia proprietária de banda larga sem fio desenvolvida pela xG Technology LLC. Desde que foram anunciados seus primeiros testes de transmissão, o xMax tem causado alvoroço entre os fabricantes de tecnologias de transmissão sem fio. O xMax é duas mil vezes mais econômico que o padrão 802.11b/g e consegue cobrir distâncias parecidas com as do WiMax, porém, com o consumo de energia considravelmente mais baixo. O xMax trabalha com modulação de ciclo único em 900MHz e consegue uma taxa de transmissão média de 3.7Mbit/s cobrindo um ráio de 30km a 50mW de potência usando uma antena omini direcional.



ZigBee (802.15.4)

Padrão defendido pela ZigBee Alliance, tem como proposta tornar-se padrão wireless de baixo consumo e curto alcance para monitoração e automação de aplicações industriais, comerciais ou urbanas, como por exemplo, controle de sistemas de iluminação pública, leitura de medidores residenciais de água, luz e gás, monitoramento industrial e/ou médico e automação de forma ampla. Sua taxa de transferência média (250Kbps) é menor que a do Bluetooth, assim como seu consumo de energia: aproximadamente mil vezes menor que o de um dispositivo Bluetooth. Outra vantagem do ZigBee é o fato de dispositivos dessa tecnologia poderem entrar em modo "sleep" sem necessariamente fechar a conexão, vantagem essa que acaba por reforçar a economia de energia como ponto mais forte do ZigBee. O ZigBee opera em 2.4Ghz, nas mesmas frequências do Wi-Fi e Bluetooth. A área de cobertura é de aproximadamente trinta metros, sendo possível conectar até 255 dispositivos por rede ZigBee.





Creditos: mobilesite

Arquivo(s) anexado(s)